PEF2403        OBRAS DE TERRA            2004

Programação da disciplina

 
Programa

N

Data

Conteúdo

Data

Conteúdo

 

SEGUNDA

15:00-16:40

QUARTA

7:30-9:10

 

1

01-mar

Percolação de água: revisão dos conceitos básicos. Lei de Darcy  e Equação de Laplace. Soluções. Condições de contorno.

03-mar

Percolação: condições de contorno. Cálculo da vazão, da pressão neutra e dos gradientes hidráulicos. (FM)

2

08-mar

Percolação: fluxo confinado e não confinado, heterogeneidade, anisotropia.

10-mar

Percolação: traçado e interpretação de redes de fluxo. Anisotropia. (FM)

3

15-mar

Estabilidade de taludes: métodos de equilíbrio limite. Tipos de solicitação, parâmetros de resistência e pressão neutra.

17-mar

Estabilidade de taludes: talude infinito, talude íngreme, método de Bishop simplificado. (FM)

4

22-mar

Métodos de equilíbrio limite: extensões para solo grampeado, cortinas atirantadas, muros, etc.

Formulação do projeto. Temas.

24-mar

Encostas naturais: mecanismos de instabilização, técnicas de estabilização, drenagem superficial e profunda. (palestra do Prof. Alberto Sayão – PUC-RJ)

5

29-mar

Parâmetros de resistência de solos naturais e compactados, saturados e insaturados. Escolha de parâmetros de resistência para as análises de estabilidade. Especificação de ensaios.

31-mar

Encostas naturais: estabilizações ativas e passivas. Retaludamento, drenagem, impermeabilização, solo grampeado, gabiões, muros, tirantes. (PN)

 

05-abr

Semana santa

07-abr

Semana santa

6

12-abr

Barragens de terra e enrocamento: tipos, evolução histórica, condicionamentos geológico-geotécnicos, acidentes e incidentes em barragens, otimização de seções de barragens, barragens de pequeno porte. Fundações de barragens e seu tratamento.

(palestra do Prof. Victor de Mello)

14-abr

Anteprojeto de barragens de terra e otimização da seção transversal. Predimensionamento de filtros-drenos, cortinas, diafragmas, “cut-offs”, tapetes, poços de alívio. (LG)

 

19-abr

PRIMEIRA PROVA (15:00 até 16:40h)

21-abr

Feriado: dia de Tiradentes

7

26-abr

Noções sobre previsões de deslocamentos. O método de observação (Terzaghi). Fluxo, estabilidade, deformação: escolha de modelos e seus parâmetros (exemplo da barragem do Castanhão).

28-abr

Haverá aula de PTR-2437

8

03-mai

Aterros sobre solos moles: caracterização geotécnica dos solos moles, estabilidade, bermas, recalques.

05-mai

Aterros sobre solos moles: estabilidade, bermas, recalques. (LG)

9

10-mai

Aterros sobre solos moles: antecipação de recalques.

12-mai

Aterros sobre solos moles: pré-carga, drenos verticais, recalques. Aplicações. (LG)

10

17-mai

Instrumentação e monitoramento de obras geotécnicas. (PN)

19-mai

Projeto: entrega do relatório inicial, apresentação, competição entre grupos.
(
4 grupos por turma)

11

24-mai

Avaliação da etapa inicial do projeto e preparação para a etapa final.

26-mai

Visita a obra: 7:30-11:30 aproximadamente (PN)

Não haverá aula de PTR-2437

12

31-mai

Aterros compactados: controle de compactação, comportamento quanto à erodibilidade, permeabilidade, resistência e deformabilidade.

02-jun

Prospecção do subsolo. Ensaios de campo (sondagens, palheta, CPT, DMT, Camkometer, k in situ); interpretação e especificação (FM)

13

07-jun

Barragens de rejeitos: análise crítica dos diferentes métodos construtivos e do dimensionamento dos reservatórios. Adensamento com grandes deformações. (LG)

09-jun

Casos de obra. (PN)

14

14-jun

SEGUNDA PROVA (15:00 até 16:40h)

16-jun

Projeto: orientação para o relatório final e conclusão.

15

21-jun

Corridas de massas. (palestra do Prof. Faiçal Massad)

23-jun

Projeto: entrega do relatório final, apresentação, competição entre turmas
(
2 temas, 6 apresentações)

 

28-jun

Projeto: entrega do relatório final, apresentação, competição entre turmas
(
2 temas, 6 apresentações)

30-jun

PROVA SUBSTITUTIVA (7:30 até 9:10h)

Conceito

O programa acima encerra três ênfases, distribuídas entre as aulas das segundas e das quartas feiras, em proporções variáveis ao longo do semestre:

·         princípios e métodos;

·         obras e técnicas;

·         atividades de projeto e de campo.

Objetiva-se transmitir aos futuros engenheiros uma sólida base conceitual, uma visão abrangente das técnicas de execução e de cálculo, bem como das formas de obtenção dos parâmetros geotécnicos indispensáveis à boa execução e ao bom projeto. Em conseqüência, assuntos tais como “percolação”, “estabilidade”, “escolha de parâmetros”, “instrumentação e monitoramento” (para citar apenas os principais) não serão tratados exclusivamente nas aulas em cujos títulos aparecem explicitamente, mas em quase todas as aulas, por estarem presentes no projeto e na execução da maior parte das obras geotécnicas.

Conceitos da Mecânica dos Solos são imprescindíveis ao bom aproveitamento na disciplina de Obras de Terra. Material de desenho e de cálculo é indispensável para todas as aulas e provas.


Corpo docente

Waldemar Hachich (whachich@usp.br)
responsável pela disciplina

Fernando Marinho (fmarinho@usp.br)

Luiz Guilherme de Mello (lgdmello@usp.br)

Paulo Alberto Neme (latina@lpclatina.com.br)


Avaliação de aproveitamento

·         A freqüência é obrigatória e será verificada pelos docentes, por chamada, em todas as aulas. Cada docente só registrará a freqüência dos alunos cujos nomes constem da lista de matrícula daquela turma.

·         Haverá duas provas escritas normais e uma substitutiva. Cada aluno deve ter duas notas de provas.
Só terá acesso à substitutiva o aluno que houver faltado a uma das duas provas normais.
As provas exigirão sempre o conhecimento de toda a matéria lecionada até a data da prova.

·         Será considerado aprovado o aluno que obtiver M igual ou superior a 5,0.
M = média de aproveitamento = 0,85 P + 0,15 E
P = média aritmética das notas de duas provas
Revisões de cada prova serão concedidas somente àqueles alunos que preencherem pedido de revisão na Secretaria do PEF até 7 dias após a divulgação das notas daquela prova.
E = nota das atividades de projeto e de campo = 10 * (G*Ei*T*Ef*V)
Cada docente só atribuirá notas aos
alunos cujos nomes constem da lista de matrícula daquela turma.
Para o projeto, cada turma será dividida aleatoriamente, de acordo com a respectiva lista, em grupos de não mais do que 4 alunos.

G = 1,0 ou 0,9, atribuído pelos alunos na competição entre grupos
T = 1,0 ou 0,95 ou 0,9, atribuído pelos alunos na competição entre turmas
Ei = entre 1,0 e 0,0, atribuído pelo docente pela avaliação do relatório inicial do grupo
Ef = 1,0 ou 0,9, atribuído pelo docente pela avaliação do relatório final da turma
V = 1,0 ou 0,9 ou 0,0, atribuído pelo docente pela participação na visita (adequada, inadequada, ausência)


Recursos computacionais

Os alunos interessados nas soluções numéricas dos problemas de Obras de Terra deverão marcar hora com os docentes da disciplina, no Laboratório de Solos (LMS) ou no Laboratório de Mecânica Computacional (LMC), para demonstrações e utilização dos programas disponíveis.


Bibliografia para estudo

1) Disponíveis para consulta na Biblioteca Civil

·       Massad, Faiçal - Obras de Terra. Oficina de Textos, 2003.

·       Cruz, P.T. - Cem Barragens Brasileiras. Oficina de Textos, 1996.

·       Hachich, W. et alii (editores) - Fundações: Teoria e Prática. Pini, 1996.

·       Lambe, T.W. e Whitman, R.V. - Soil Mechanics. Wiley, 1969.

·       Lancelotta, R. - Geotecnica. Zanichelli, 1991.

2) Disponíveis para reprodução no PEF

·       de Mello, Victor F. B. - Maciços e Obras de Terra - Anotações de apoio às aulas. EPUSP, 1975

Não se recomenda um único livro-texto ou apostila. Em cada aula os professores poderão indicar quais as referências mais importantes para aquela aula.



Página Web

Consultar regularmente:

1) Intranet – área CoL da disciplina (em implantação)

2) http://www.lmc.ep.usp.br/people/whachich/PEF2403


Novidades e notícias

 

Waldemar Hachich 
Responsável por PEF2403 (2004)