Pirâmide de Sacara

 

sacara.jpg (65004 bytes)

Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

 

   Por volta de 80 pirâmides ainda podem ser encontradas no Egito, principalmente na margem oeste do Nilo. Muitas delas foram construídas no período da dinastia que governou entre 2920 a 2575 a.C.

    A primeira delas é a tumba construída em 2630 a.C. em Sacara para o faraó Djoser. O responsável pela construção foi seu chanceler e arquiteto Imhotep. O projeto inicialmente previa uma série de câmaras e passagens subterrâneas que formariam um conjunto com aproximadamente 60 metros de lado e 8 metros de altura, semelhante aos túmulos construídos até então.

 

        Entretanto por alguma razão desconhecida Imhotep começou a aumentar sua criação, que chegou aos 61 metros de altura, com uma base de 122 por 107 metros. Conhecida também como pirâmide de degraus foi a primeira das grandes pirâmides, introduzindo um novo sistema estrutural. E como ela, as pirâmides que viriam a ser construídas depois teriam suas faces voltadas para os quatro pontos cardeais.

 

Ficha Técnica

Nome Pirâmide de Sacara
Sistema Estrutural  
Função Túmulo do faraó e de membros da família
Localização Sacara, Egito
Época da construção 2630 a.C.
Projeto Imhotep
Execução Imhotep
Dimensões Altura:     61 m

Base:        122 x 107 m

Material Rocha

 

 

    Depois dela, foi construída a 53 km de Sacara a Pirâmide de Meidum, a última das pirâmides em degraus, que mais tarde seria transformada numa pirâmide verdadeira, com suas faces planas, numa inclinação de 52°. No entanto, esta pirâmide é hoje uma estrutura de 3 degraus, parecendo mais uma torre, cercada por milhares de toneladas de calcáreo e areia. Uma possível explicação é a utilização dessas estruturas antigas como pedreiras para construções posteriores em grandes cidades do Egito. De qulaquer forma, não havia grandes cidades nas vizinhanças de Meidum e praticamente todos os blocos de pedra encontram-se junto à base da pirâmide. Alguns autores consideram a hipótese de a pirâmide ter apresentado problemas estruturais pouco tempo depois de sua construção, provocando o desmoronamento das camadas externas. Isso supostamente explicaria a mudança de inclinação das faces da Pirâmide Inclinada (ou dobrada), que seria construída a seguir. Outros autores, por sua vez, baseados em relatos de que a Pirâmide de Meidum permaneceu intacta por pelo menos 1000 anos, consideram que seu colapso pode ter sido causado por um terremoto. E a Pirâmide Inclinada teria esse formato peculiar, ou por pressa na execução, ou para reduzir o peso da construção, por algum problema de estabilidade, mas não relacionado à Pirâmide de Meidum.

     Depois da construção da Pirâmide Inclinada, com inclinações de 52° e 43,5° para as faces, foi erguida a Pirâmide Vermelha, a primeira pirâmide verdadeira a ser construída, com uma inclinação de 43,5° para as faces. Mais tarde, voltariam a ser construídas pirâmides no ângulo clássico de 52°.

pirevol.jpg (25970 bytes)

Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

 

meidum.jpg (10702 bytes)

Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

pinclinada.jpg (12984 bytes)

Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

vermelha.jpg (7146 bytes)

Newhouse, E. L., ed., The Builders, The National Geographic Society, Washington, D.C., 1992.

     No alto, à esquerda, a Pirâmide de Meidum. Acima, a Pirâmide Inclinada (ou dobrada), e à esquerda pode-se ver a Pirâmide Vermelha, a primeira das pirâmides verdadeiras.